IDC apura retração do mercado de celulares no segundo trimestre

64
Renato Meireles, analista de pesquisa e consultoria em Consumer Devices da IDC Brasil

As vendas de aparelhos recuaram 30,7% em relação ao mesmo período de 2019, enquanto a receita foi 8,5% menor

O IDC Brasil estima que o mercado de celulares terá uma recuperação gradual no terceiro trimestre após a queda nas vendas registrada no segundo trimestre deste ano. Entre abril e junho, as vendas de aparelhos caíram 30,7% na comparação com igual período do ano passado, para 9.631.424 unidades.

Os dados sobre o mercado de celulares constam do estudo IDC Brazil Mobile Phone Tracker 2Q2020. Dificuldades no abastecimento e o fechamento do comércio devido à Covid-19 afetaram o consumo de celulares no período.

A receita total do setor no segundo trimestre foi de R$ 14,846 bilhões, 8,5% a menos do que o mesmo período de 2019. Desse montante, smartphones respondem por R$ 14,30 bilhões e feature phones por R$ 82,64 milhões .

“No início do ano tínhamos um cenário favorável, mas a pandemia afetou praticamente todos os setores e não foi diferente com o mercado de celulares, que sofreu com a falta de componentes provenientes da China e com o aumento de preços devido às flutuações cambiais”, explica Renato Meireles, analista de pesquisa e consultoria em Consumer Devices da IDC Brasil.

O impacto só não foi pior graças aos canais de venda on-line, que expressaram movimento acima da expectativa, mas não o suficiente para minimizar a queda no segundo trimestre.
“As preocupações com a saúde e com o desemprego levaram as pessoas a ficar em casa e a diminuir o interesse pela compra de um celular”, afirma Meireles.

Do total de celulares comercializados, 8.745,054 foram pelos canais oficiais, sendo 8.353,195 smartphones e 391.858 feature phones – quedas de 31,1% e 54%, respectivamente, em relação ao segundo trimestre de 2019.

No mercado cinza, os 790.431 smartphones vendidos representaram um incremento de 8,3% em relação ao segundo trimestre trimestre de 2019, enquanto os 95.939 feature phones comercializados representaram queda de 51,1% também ano a ano.

No mercado cinza a surpresa foi o resultado de vendas de smartphones, único setor que apresentou crescimento. Já a retração nas vendas de features phones também era prevista.

Segundo o estudo da IDC Brasil, a categoria mais vendida no segundo trimestre foi a de smartphones intermediários (High end), com 3.363.076 unidades e preço entre R$ 1.100 e R$ 1.999. Na sequência, com 3.247.741 de unidades vendidas, ficaram os Mid end, modelos com preços de entrada entre R$ 700 e R$ 1.099.

No mercado oficial, o preço médio de um smartphone foi de R$ 1.539. Já no mercado cinza, o aparelho custava R$ 1.727. Os valores foram, respectivamente, 22,9% e 36,2% maiores que os do segundo trimestre trimestre de 2019. O ticket médio dos features phones também ficou 39,5% mais alto no mercado oficial e 24,6% no mercado cinza.

Já quando se comparam os preços do segundo trimestre com os do primeiro trimestre de 2020, a alta não é tão acentuada. De janeiro a março, o ticket médio do smartphone, por exemplo, foi de R$ 1.476 e do feature phone foi de R$ 143 (média de preços considerando o mercado oficial e o paralelo).